FERNANDO SANTO

PROFESSOR ADRIANO MOREIRA, UMA LIÇÃO DE VIDA – Agradeço ao Professor Adriano Moreira tantas lições sobre o mundo em que vivemos, mas também as lições de vida que nos tem transmitido, a sua capacidade de resistir ao tempo. 

A comemoração do 100.º aniversário do Professor Adriano Moreira, em setembro passado, justificou homenagens, artigos e diversas referências na comunicação social, tendo sido referido como Sábio. De facto, ao longo das nossas vidas são raras as personalidades a quem podemos designar por sábios, no sentido mais amplo do pensamento, que não fica limitado ao saber específico de uma matéria científica. 

O Professor Adriano Moreira desempenhou e desempenha muitos cargos, mas na minha opinião, é um Professor da Vida, que tem dado a tantas gerações civis e militares muito do seu pensamento, contribuindo assim para que todos possam pensar melhor numa visão universalista e humanista perante os problemas de cada período.  

A transmissão da sua experiência como participante que viveu acontecimentos que, para a maioria de nós, fazem parte da História que não vivemos e que apenas conhecemos através dos historiadores, é uma oportunidade única para se ter a visão de quem esteve presente. Assisti a diversas intervenções em que relatou factos históricos em que participou, mas no final o Professor referia sempre, com uma grande humildade, ser aquela a sua visão ou perceção dos acontecimentos, mas certamente haveria outras.   

É todo este saber, a experiência vivida sobre acontecimentos relevantes e a sua capacidade de ensinar e comunicare que obrigam a pensar de forma mais aberta e profunda sobre os problemas do país e do mundo, que fazem do Professor Adriano Moreira uma figura ímpar do nosso tempo. Por isso nunca é demais voltar a destacar um dos grandes pensadores do nosso tempo e, neste simples texto, presto-lhe a minha homenagem e agradecimento por tudo o que nos tem ensinado, até nos artigos da FRONTLINE. 

SEMPRE NO SEU TEMPO – Uma das características que muito aprecio no Professor Adriano Moreira é a sua capacidade para se manter sempre no seu tempo, ou seja, o momento atual, independentemente da sua idade. É notável como se mantém permanentemente atualizado, analisando os problemas e desafios que vão surgindo, seja na política nacional, na geoestratégia internacional ou nos conflitos que surgem sem ninguém prever, como foi o caso recente da invasão da Ucrânia. Só alguém muito atualizado conseguiria falar sobre estes temas e ser escutado sobre as perspetivas que transmite com uma sólida cultura que vai muito para além da simples opinião.  

É uma lição de vida para todos os que a partir de determinada idade, e muitos são novos, desistem de participar no tempo atual, passando a compará-lo com o que designam “no meu tempo”, como se a vida tivesse ficado congelada e a partir de uma determinada idade o tempo passasse a ser dos outros, pelo facto de serem mais jovens e assim desistirem de viver o seu tempo atual.     

Penso que não é fácil ao longo de tantas décadas falar sobre os temas de cada período e conseguir manter a coerência da análise, perante problemas tão diferentes e até inesperados e merecer o respeito, mesmo de quem não pensando da mesma maneira o admira, o que é o contrário de quem vai pensando ao sabor dos tempos, do que é conveniente ou politicamente correto, como agora está na moda. O Professor Adriano Moreira explica-nos a essência desta sua característica, pois sempre se manteve fiel aos valores e princípios fundamentais que constituem o eixo da sua roda. A roda pode mudar para se adaptar, mas o eixo não. 

TESTEMUNHO DE UNIVERSALIDADE – O enorme respeito e a admiração que as pessoas têm pelo Professor Adriano Moreira e as situações que a seguir relato são o testemunho da sua universalidade. Quando estive como bastonário da Ordem dos Engenheiros, o Conselho Diretivo Nacional deliberou atribuir-lhe o título de Membro Honorário, atendendo ao seu contributo para o reconhecimento do trabalho da Ordem dos Engenheiros na apreciação e acreditação dos cursos de Engenharia e que muito ajudaram a melhorar o sistema de ensino. Não sendo engenheiro, poderia haver reações menos favoráveis, ou até corporativas, o que não aconteceu, e a prova do seu prestígio, se assim se pode chamar, aconteceu no jantar comemorativo dos 70 anos da Ordem dos Engenheiros, em 2006, no Campo Pequeno. Estavam presentes 1100 pessoas e era o convidado para uma intervenção sobre o contributo dos engenheiros para o desenvolvimento do país. O jantar prolongou-se e as conversas entre os presentes eram certamente tão interessantes que os oradores que antecediam o Professor não estavam a ser ouvidos pela maioria dos presentes, apesar da aparelhagem sonora. Quando estava para subir ao palco, cerca das 23h, disse-me que não iria falar, pois não havia condições e ninguém àquela hora teria paciência para o ouvir. Tentei demovê-lo, até que, já sem argumentos perante o ruído ambiente,pedi ao Professor para subir ao palco e simplesmente cumprimentar os presentes e felicitar a Ordem pelo seu aniversário. Acedeu ao meu pedido, mas deixou na mesa o texto da sua intervenção, pois não iria dizer mais do que o combinado. Quando entrou no palco e disse boa noite, quase instantaneamente todos se calaram e sentimos o silêncio que antecede os grandes momentos dedicados a quem queremos ouvir. Durante mais de meia hora o Professor Adriano Moreira fez a sua intervenção de improviso, mantendo-se sempre o mesmo silêncio e no final recebeu uma estrondosa salva de palmas que se mantém na nossa memória. Só grandes vultos amplamente reconhecidos, independentemente do alinhamento político, ou do pensamento, conseguiriam passar por uma prova tão difícil, mas também tão gratificante.   

Agradeço ao Professor Adriano Moreira tantas lições sobre o mundo em que vivemos, mas também sobre as lições de vida que nos tem transmitido, a sua capacidade de resistir ao tempo, de nunca ser velho e nos dizer que o nosso tempo é tudo o que vivemos.  

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.