ADALBERTO CAMPOS FERNANDES

TEMPO DE ESPERANÇA E DE OPORTUNIDADENo momento presente começamos a vislumbrar a luz ao fundo do túnel que nos alimenta a esperança da recuperação. Temos pela frente enormes desafios que nos trazem muitas oportunidades para melhorar o nosso modo de vida. 

Os últimos meses foram muito difíceis. A confrontação com uma ameaça desconhecida colocou o mundo numa situação de grande precariedade política e social. Ainda não é o tempo certo para um balanço rigoroso embora sejam já muitas as lições que aprendemos para o futuro. No momento presente começamos a vislumbrar a luz ao fundo do túnel que nos alimenta a esperança da recuperação. Temos pela frente enormes desafios que nos trazem muitas oportunidades para melhorar o nosso modo de vida.  

PRIORIDADES POLÍTICASOs próximos anos mostrarão que é possível organizar o trabalho e o ensino de modo mais eficiente capacitando o modelo de desenvolvimento económico com novos instrumentos. A pandemia recentrou o foco das prioridades políticas colocando sobre os decisores uma responsabilidade maior e muito mais exigente relativamente ao futuro. Ficou claro que o progresso da Humanidade requer uma estratégia de desenvolvimento que tenha em conta, para além da sustentabilidade ambiental e económica, a centralidade das políticas nas pessoas. A pandemia pôs a descoberto o enorme manto de desigualdades, que prolifera um pouco por toda a parte. A recuperação do mundo precisa de uma abordagem diferente da nossa vida comum, num contexto de globalização, onde se acentua a escassez de recursos e os desequilíbrios entre regiões. Os sinais que vamos tendo, até agora, parecem promissores. Desde os Estados Unidos à Europa fica patente a vontade política de mobilização dos recursos públicos para a implementação de políticas de apoio à ciência e à inovação a par de investimentos públicos de grande dimensão orientados para a coesão social. Também a abertura à modificação da organização do trabalho melhorando a eficiência, e ao mesmo tempo, protegendo a condição social e humana de quem trabalha.  

A crise mostrou que é possível fazer mais e melhor, na maior parte dos setores de atividade, através do estímulo à inovação e à criatividade. 

TRANSFORMAÇÃO DIGITALTemos pela frente um tempo de desafios e de oportunidades que importa aproveitar. A transformação digital será o fator que pode acelerar a mudança nos mais diversos domínios da nossa vida. No setor da Saúde poderemos fazer melhor, com mais segurança e qualidade, reduzindo barreiras ao acesso, monitorizando o estado de saúde das comunidades e dos indivíduos, antecipando os riscos emergentes, criando ferramentas de apoio à decisão clínica e de empoderamento do cidadão ao nível da literacia em saúde.  

A pós-pandemia poderá trazer um mundo mais equilibrado, mais seguro e mais justo e, sobretudo, mais centrado na redução das desigualdades. Ao mesmo tempo, a ciência poderá consolidar o seu papel determinante na melhoria das condições de vida e de proteção da saúde das populações. A ser assim teremos, de facto, pela frente um tempo auspicioso de esperança e de oportunidades. 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *