HOTEL PALÁCIO ESTORIL

90 ANOS é quanto o Hotel Palácio celebra em 2020. Qualquer pessoa que ali entre viaja no tempo. O seu fundador, Fausto Figueiredo, um homem de Celorico da Beira veio cedo para Lisboa e posicionou o Estoril no mapa do mundo. Quando comprou o terreno onde está o Hotel Palácio, existia apenas uma mata de pinheiro-manso e cedros. Encomendou um projeto ao arquiteto Henri Martinet e ambicionava tornar esta região numa estação marítima, climatérica, termal e desportiva. Conseguiu financiamento e concessão governamental do jogo e mais importante ainda, a exploração e eletrificação da Linha de Cascais. O seu objetivo era o de trazer ingleses e a clientela de Biarritz de comboio até ao Estoril. O Sud Express fazia já a ligação entre Paris e Lisboa, e Fausto Figueiredo esteve envolvido na ideia e concretização da linha até ao Estoril. Na década de 20 (sec. XX), o Estoril não tinha quase nenhuma infraestrutura, e além do transporte, conseguiu trazer também os hotéis e animação. Por esta altura, já existia o projeto para construir o Hotel Palácio, no entanto a primeira Guerra Mundial atrasou o inicio da construção que foi retomado apenas em 1928. No ano de 1930, o Hotel era inaugurado pelo Presidente Carmona. Foi um momento com animação de fogo de artificio, estreia de um filme e um repleto banquete. Nascia assim a Riviera do Estoril, e durante quase uma década começou a ganhar visibilidade e nome. A nova guerra no inicio da década de 40, voltou a trazer problemas na Europa, mas Portugal conseguiu ser um país neutro, ainda assim ligado a muitas pessoas que encontraram aqui um lugar para se refugiarem. Era um paraíso para milhares de pessoas , e o hotel tornou-se um lugar de espionagem.”